Procissão

Procissão
.
Pintaram o mulatinho de branco
Na procissão fizeram-no de Jesus
Pintado de cal e com peruca loira
De sacristão carregava uma cruz
.
E a meninada para tirar proveito
Metia varada para valer no lombo
E Jesus xingava palavrões soltos
Chutava, mas acabava num tombo
.
Sua atuação de quinta categoria
Nem o padre salvou de dar risada
Ver uma tamanha esculhambação
Fazia com graça aquela criançada
.
Como se não bastasse caiu a chuva
O branco do cal começou escorrer
Gritou um guri: crucifica ele agora
Antes que Jesus comece a derreter
.
Foi nesta hora que virou comédia
O mulatinho rindo montou na cruz
Cavalgava como cavalinho de pau
Enquanto a cidade ficava sem luz
.
Os fiéis correram para suas casas
O mulatinho fazia ainda gracinhas
Como a chuva fosse Cristo dizendo
Deixai vir a mim as criancinhas…
 .
Autor: Sandro Ernesto 06/08/2013

Você pode gostar...

4 Resultados

  1. Obrigado pela visita… abraços !

  2. Zaida Machado disse:

    Que deliciosa poesia!! Muito gostosa de ler e acho que todos sorriem ao final, o que não deixa que ela nos fixe a mensagem original. Parabéns, Sandro! (agora consegui comentar por aqui). Zaida.

  3. Que prazer ler seu comentário aqui Zaida. Confesso que ri sozinho ao fazer esta poesia imaginando o acontecido. Obrigado pela visita… abraços !

Seu comentário é sempre bem-vindo, Amigo... obrigado !

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: