O furo

.

          Humm… Espertinha hein?! Pensava comigo já arquitetando uma traquinagem.

          Na minha infância, eu era uma mistura de Cascão e Cebolinha e a cena que havia presenciado deu-me uma comichão nas ideias. Um plano infalível.

          Minha mãe guardava na dispensa a sete chaves as latas de leite condensado, item indispensável para fazer as sobremesas de fim de semana. Onze filhos pequenos não era o problema. A coisa pegava na turma dos “sacos sem fundos”. Os que “comiam mais que ferrugem”. Lilica era a segunda do topo da lista depois de mim.

          E lá estava ela, munida de um martelo e um preguinho (que mais parecia uma agulha). Numa operação digna de fazer inveja a qualquer filme da franquia “Missão Impossível”, era feito um furinho na latinha. Missão impossível mesmo! Saborear qualquer coisa da lata, sem fazer outro furo para entrar o ar, era no mínimo burrice. Mas ela tentava assim mesmo, ferozmente. Branquela como ela só, ficava roxa de tanto sugar a latinha. Qualquer barulho suspeito, parava imobilizada pelo medo do flagrante. E eu, do basculante assistia a tudo silenciosamente.

          Assim que ela saiu desconfiada, entrei em cena. Tentei sugar sem sucesso. O furinho era invisível a olho nu. Resolvi fazer um furo grande com a ponta da faca. Numa talagada foi metade do leite condensado e não satisfeito voltei mais algumas vezes, pé ante pé.

          Não demorou muito para minha mãe descobrir. Numa chamada só, reuniu a turma toda na cozinha: _Quem foi o engraçadinho que fez isto?! Balançava ela a latinha vazia no ar. O burburinho de “não fui eu” deixava minha mãe irritada. Aquilo fez com que minha irmã, naquela pressão psicológica confessasse o crime: fui eu manhê… Mas foi só um furinho manhê, num foi este buracão nãoooooo!

          A minha gargalhada me entregou naquele dia. Apanhei rindo, minha mãe me bateu rindo, meus irmãos assistiram tudo aquilo rindo e fomos felizes para sempre!

 

Sandro Ernesto 16/05/2020

Você pode gostar...

22 Resultados

  1. JCDattoli disse:

    Bem retratada a traquinice familiar, Sandro. Gostei!!! Rsrs

    • panografias disse:

      Dattoli, meu querido amigo… eu engasguei com o leite condensado hoje ao lembrar destas traquinices. Sempre arranco gargalhadas nas reuniões de família, então decidi transcrever aqui. Se você sorriu meu caro, eu gostei mais ainda rsrsrs… obrigado sempre pela presença e comentário! Grande abraço

  2. Anônimo disse:

    Muito bom maninho!

    • panografias disse:

      Ah Lilica… devo tudo a você minha querida irmã kkkkkkk Fico rindo lembrando de você escondida, furando a lata e depois, surpresa com o furo grande e a lata vazia rsrsrsrs Te amo maninha. Beijo no teu coração

  3. essa entrada no túnel do tempo nesses dias traz lembranças inesquecíveis de um tempo que já vai ficando distante em minha memória e em que tudo era completamente diferente e espontâneo. que belo post, Sandro. muito obrigado meu querido amigo e vai trazendo mais histórias da infância. grande abraço.

    • panografias disse:

      Estas lembranças são relíquias de família, contadas em todas reuniões repetidamente como tantas outras, Fernando! O amor familiar transborda nos risos e cada detalhe conta… então ela se torna viva entre nós. Mais histórias virão, pode ter certeza! Obrigado por tudo meu querido amigo. Tenha um fim de semana abençoado! Abraços

  4. Vall Nunnes disse:

    Oi Sandro, também vivi coisas assim.
    Lá em casa somos sete,depois que o mais velho se foi.
    Mas as traquinagens eram corriqueiras. A gente apanhava,mas ninguém falava quem foi. Por isso minha mãe adotou o método. ” Se nenhum de vocês falar…apanha todo mundo!”
    Delicioso ler sua postagem.
    Xeru

    • panografias disse:

      Vall, minha querida amiga… as dores e delícias de uma família grande é justamente esta: bastante histórias. Não precisava nenhum irmão apontar o dedo… minha cara lambida me denunciava kkkkk. Delicioso é tua presença aqui minha amiga… Beijo no coração!

  5. estevamweb disse:

    Não teve jeito, para sempre estou rindo… literalmente…

    • panografias disse:

      Se você riu meu caro amigo Estevam, eu literalmente ganhei o dia kkkkkk. Sempre me metia em confusões como esta, que hoje nos causa risos! Obrigado meu querido sempre… tenha um fim de semana iluminado! Grande abraço

    • estevamweb disse:

      Ainda ei de aprender a escrever pequenos contos… Se isto acontecer contarei alguns que são para rir e outros para chorar… de rir…. porque depois que passa o remédio é rir…

    • panografias disse:

      Para de onda Estevam kkkkk… escreve logo para a gente rir um pouco! Se rir é o melhor remédio, abre logo sua farmacinha kkkkkkk

    • estevamweb disse:

      Toda vez que começo a escrever um conto, acabo transformando-o em poema… Saio da farmácia direto para a biblioteca… Rsrsrsrsrs

  6. O miau disse:

    Eu não fui traquina. Deveria ter sido. Tarde demais. Os traquinos têm sempre histórias divertidas.

    • panografias disse:

      Também é os que apanhavam mais, minha querida amiga kkkkkkk Quando não eram as varadas, minha mãe gangorreava na minha orelha (acho que uma é maior que a outra rsrsrs). Beijo no coração

  7. dulcedelgado disse:

    Muito bom!

    • panografias disse:

      Obrigado pela visita e comentário Dulce… é bom saber que gostou! Minhas travessuras quase sempre terminavam dando errado kkkkkk. Tenha uma semana abençoada! Beijo no coração

  8. Boas lembranças engraçadas da infância!!! Muito bom, adorei!

    • panografias disse:

      Obrigado pela presença e comentário Nicole! São realmente lembranças engraçadas da minha infância que hoje divido com vocês. Fico muito feliz que tenha apreciado as minhas travessuras rsrsrsrsrs Beijo no coração minha querida amiga!

  9. Roger Maia disse:

    Eu abri uma lata destas e comi aos poucos por uma semans. Oh sonho

    • panografias disse:

      Se fosse com o furinho que minha irmã deu Roger, você ficaria o ano todo e olha lá kkkkkkkk. Obrigado pela visita e comentário…. grande abraço!

  10. Roger Maia disse:

    Kkk abraço

Seu comentário é sempre bem-vindo, Amigo... obrigado !

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: