O Mouro

O Mouro
.
Decerto no deserto morava o mouro
Tez morena queimada de sol Saara
Embriagado de vinho vindo do odre
Que de segredo sagrado se agregava
.
Com alforje de couro de touro preto
No prato de prata o seu ouro pesava
No harém a odalisca belisca o petisco
Um lagarto largado assado em brasa
.
Tendo na tenda de olheiro um falcão
Por vezes do seu braço o voo alçava
Trazendo iguarias para alimentação
Adestrado para caça jamais cansava
.
Naquela noite uma paz pairava no ar
Em nome dos nômades testemunhava
Reis passaram ali seguindo uma estrela
Que como fosse dia a sua luz iluminava
.
Autor: Sandro Ernesto 28/08/2013

 

Você pode gostar...

6 Resultados

  1. Silvia Gomes disse:

    Lindo poema! Obrigado por partilhar! Abraços!

  2. É sempre um prazer a sua visita e comentários Silvia ! Me sinto recompensado por ter gostado ! abraços

  3. Isa Lisboa disse:

    Me senti no deserto ao lê-lo! Belíssimas imagens!

  4. Obrigado pela visita e comentário Isa ! O deserto tem suas belezas … abraços !

  5. Muito bom, a simples leitura traz-nos logo uma forte imagem do deserto.

    Abraço,

    http://planopalavras.blogspot.pt/

  6. Obrigado Luís ! Fico feliz por ter gostado da leitura … um forte abraço meu amigo !

Seu comentário é sempre bem-vindo, Amigo... obrigado !

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: