Gasolina

.

            Esperei alguns segundos. O carro permanecia parado à minha frente e logo percebi pelo gesto do motorista de que havia algum problema. Pude ouvir o “nhenhenhém” do carro, e pela inclinação da rua deduzi de que se tratava do clássico: tanque vazio. Nós brasileiros padecemos deste mal, ainda mais agora com os aumentos sucessivos do preço da gasolina. Parei o carro alguns metros adiante. O motorista não percebeu minha chegada, empenhado em fazer o carro funcionar. Só se deu conta da minha presença quando ouviu minha voz.

— A gasolina acabou, não?! percebi o susto e a desconfiança pela fisionomia, além da família que o acompanhava.

— Acho que sim! respondeu-me após analisar de cima em baixo como se preparando para uma luta corporal para defender sua prole.

— Pegue o galão, que levo você ao posto mais próximo! disse-lhe achando natural aquela atitude.

— Mas por quê?! Você é taxista?! O posto é tão longe assim?! Quanto você cobra?! não pude deixar de rir com tantas perguntas.

— Meu amigo, disse-lhe sorrindo… não sou taxista, não vou cobrar nada e sim, o posto fica a uns tantos tiros de canhão daqui. Não é perto nem longe, no máximo cansativo… vamos?!

Entrou no meu carro ainda ressabiado.

— Já passei por esta situação várias vezes meu amigo. Sei muito bem o que é estar com a família inteira dentro de um carro sem gasolina e longe de um posto de combustível. É desagradável, porém, pode acontecer com qualquer um. Só me coloquei no seu lugar e fiz o que achei que você gostaria que alguém fizesse por você! disse tranquilizando-o sobre minha real intenção.

— Mas ninguém faz isto que está fazendo, ainda mais nos dias de hoje! argumentou o homem do carro sem combustível.

— Eu faço! respondi com o bom humor de sempre.

            De volta à cena anterior, agora de sorriso no rosto com o roncar do motor, o homem do carro sem combustível agradecia veemente após minha recusa por qualquer tipo de pagamento. Assegurei pelo retrovisor por algumas dezenas de metros de que estava tudo bem até vê-lo ultrapassar. Pude ouvir ainda a buzina de seu carro e seu aceno de agradecimento até desaparecer, antes do meu carro também parar. Bah! E quem disse que uma boa caminhada faz mal a alguém?!

Sandro Ernesto 27/01/2018

Você pode gostar...

7 Resultados

  1. Maravilhoso texto, parabéns… adorei!

    • panografias disse:

      Olá meu querido amigo… fico feliz que tenha gostado deste episódio. Obrigado pela presença e comentário sempre marcantes… tenha um fim de semana abençoado! Um grande abraço

  2. Maia, R. disse:

    Kkk 10!

    • panografias disse:

      kkkkkkk acertou meu amigo, foram quase dez km de caminhada kkkkkkkkkk Obrigado pela presença e comentário meu querido! Tenha um fim de semana abençoado… grande abraço!

  3. Jair Vargas disse:

    Realmente maravilhoso esse texto 🙂

Seu comentário é sempre bem-vindo, Amigo... obrigado !

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: