Falta de ar

.

          Desde quando a pandemia começou tenho meditado sobre um dos momentos mais preciosos e enriquecedores da minha vida. Um verdadeiro remake do filme “Intocáveis”. “Fibrose Pulmonar Idiopática” foi o diagnostico do meu amigo “Luiz com Z” em 2014. Deram-lhe 6 meses a 1 ano de vida no máximo. Chegou da consulta de cadeira de rodas, acompanhado de um enorme cilindro de oxigênio. Até aquele momento, não havia cura. Pesquisei por dias sobre os sintomas, tratamentos, novas drogas e até mesmo alguma simpatia. Nada, nada animador. O transplante foi descartado devido à idade e riscos que implicavam tal procedimento. Entristecia-me a ideia do ser humano ter um “prazo de validade”. Entristecia-me a ideia de perder um amigo.

          Voilà! Se a contagem regressiva estava em curso, só nos restava fazer o melhor que pudéssemos. Duas coisas favoreciam naquele momento. Meu trabalho estilo home Office e a distância de apenas duas casas. Com isto as visitas eram diárias e as conversas intermináveis. À medida que a doença avançava, era acompanhada de incertezas e medos. Fobia para tudo quanto é lado. Luz apagada e roupa preta, nem pensar! Era desesperador quando o oxímetro marcava níveis baixos de saturação do oxigênio. A primeira vez que presenciei, tive a iniciativa de massageá-lo ao mesmo tempo em que o tranquilizava com sussurros atentando para a respiração tipo: — Calmaaaaa… Respira calmamenteeeee… solte o ar… relaxaaaa… Põe meu nome primeiro no testamentoooo… calmaaaaa… respiraaaa…

          Quase o matei de tanto rir, mas funcionou.  Com isto o improvável aconteceu. Acabei sendo nomeado seu enfermeiro particular. Consegui por várias vezes ressuscita-lo com esta minha técnica um tanto inusitada. Ele, ministro da igreja local e membro da Sociedade de São Vicente de Paulo e eu, muitas vezes travávamos debates acerca do sentido da vida, família, pescaria, Deus, religião e até a vida após a morte. Neste último combinamos que aquele que fosse primeiro, voltasse e descrevesse o lado de lá. Ficou bem até naquele sábado, aniversário de minha esposa, mas no domingo as coisas saíram da nossa ossada… kedizê, alçada. Seu prazo de validade venceu.

          Voltar e descrever o lado de lá?! E correr o risco de passar por tudo outra vez?! O famigerado vírus continua fazendo vítimas de forma diferente e abrupta. Meus filhos, noras, irmãos e sobrinhos pegaram sem muitas sequelas, mas muitos amigos, vizinhos e parentes próximos não tiveram a mesma sorte. O ar ficou escasso para eles também. E neste momento o protocolo é se afastar. Isolamento total. Além de faltar o ar, falta calor humano. Tudo abruptamente. Sem massagens, sem mensagens, sem despedida. Acho que a distância afetiva está matando mais rapidamente. Só de pensar nisto já me dá falta de ar!

Leia aqui: Último Suspiro

Ouça aqui: Luiz com Z

Sandro Ernesto 14/03/2021

Você pode gostar...

25 Resultados

  1. chica disse:

    Sandro fui ler os textos citados..O Luiz com Z deve pelo menos ter ido para o outro lado, com a certeza de aqui ter deixado um grande amigo que o fez sorrir mesmo emquanto o ar lhe faltava.

    Bom humor ajuda nas piores horas…

    E, com certeza, esse vírus agora, chegou pra colocar todos nos devidos lugares. Ou seja, EM CASA, sair só para o necessário, cuidar de si e dos ouros. mas,pena, isso não está sendo levado muito à sério,a começar pelo urubu mor, louco por carniça,que nos governa( a mim,nao ,pois NAO me represente!!)

    abraços, chica

    • panografias disse:

      O bom humor sempre ajuda Chica! Não estão levando muito à sério mesmo (nem me fale do urubu mor). No caso do Luiz, estávamos todos a sua volta, ao inverso do que acontece agora. Estar sozinho, entubado é uma situação desesperadora, até mesmo para os profissionais da saúde. Só Deus para aliviar a dor dos pacientes e da família. Que seu domingo seja de paz. Abraços poéticos

  2. estevamweb disse:

    Por aqui, e, em outras bandas da terra também, o calor humano já estava escasso… A presença física, podia até esquentar, mas, calor humano não é quentura, calor humano é ternura e esta anda escassa há tempos… Cuidemo-nos para o ar conseguirmos corretamente respirar e partilhar…

    • panografias disse:

      São estas as reflexões que fica para o mundo agora, meu caro! Cabe a cada um de nós assimilar os verdadeiros valores e as lições que esta pandemia deixa para todos nós… que seu domingo seja iluminado! Paz e Bem

  3. foureaux disse:

    Muito bom! Lúcido, sensível e contundente!

    • panografias disse:

      Eh meu caro amigo Foureaux… fico imaginando as centenas de milhares de pessoas que se foram sem poder ao menos se despedir. Isolados dos entes queridos e sem ter ao menos um funeral digno. Quais as lições que fica para a humanidade?! Obrigado pela leitura e comentário meu caro… que sua semana seja iluminada e produtiva. Abraços

  4. Isa Lisboa disse:

    Lembro bem de você falar de seu amigo, Sandro. Certamente que ter um amigo como você o ajudou a ter mais ar nesses últimos diad.

    Quanto à pandemia, verdade, a distância também tira o ar. É um vírus que ataca além do físico, infelizmente. Que todos tiremos lições desta falta de ar, ao menos!

    • panografias disse:

      Acho que não há como esquecer minha amiga…. foi na época em que éramos atuantes no “Pense” e no “Tubo de Ensaio”. Esta experiência que relato em relação a atualidade é justamente esta: quais as lições que esta pandemia deixará?! São muitas reflexões, posso garantir. Obrigado sempre pela leitura e comentário Isa… que sua semana seja abençoada, feliz e produtiva! Beijo no coração

  5. dulcedelgado disse:

    Muito complexos e contraditórios são estes tempos…
    Como o Sandro tão bem escreve, quando deveríamos estar mais perto para confortar, a distância impõe-se para magoar…
    Esse seu amigo precisou da sua amizade… na altura certa.

    • panografias disse:

      Disseste bem Dulce: quando deveríamos estar mais perto para confortar, a distância impõe-se para magoar. Não fiz nada, perto do que ele havia feito por mim e para a comunidade, e novamente foste assertiva: estive no momento certo. Ver uma pessoa, um filho, irmão ou amigo numa situação destas, sem poder fazer praticamente nada é triste. Eu ainda aposto na humanidade. Muito obrigado minha cara amiga pela leitura e comentário… que sua semana seja bela, abençoada e produtiva! Beijo no coração

  6. magicamistura disse:

    Linda mensagem, parabéns pelo privilégio de fazer uma diferença tão positiva na vida de outro ser humano ❤️

    • panografias disse:

      Obrigado minha cara amiga… a reflexão é justamente esta: não poder fazer diferença na vida do outro nestas horas de desespero. A hora que o outro mais precisa e não podemos estar perto. Tudo é um aprendizado. Que sua semana seja abençoada e produtiva minha amiga… beijo no coração!

    • magicamistura disse:

      Que bom termos oportunidade de aprender Gratidão por estar aqui comigo ✨✨✨ Abençoada semana amigo✨✨

  7. JCDattoli disse:

    Muito bom, Sandro, o seu texto, a sua solidariedade ao amigo que se foi. E, porque estamos a vivencia-la, fazer a ponte com a atual pandemia é automática. Senti na pele, um mês e meio atrás, a partida do meu pai em uma UTI sem qualquer companhia de um parente, um amigo. Uma grande prova, uma tristeza que esse distanciamento potencializa. Restam-nos a compreensão e os aprendizados. Abraço, parabéns pelo post!!!

    • panografias disse:

      Meus mais sinceros sentimentos meu querido amigo Dattoli… não há palavra neste momento que abrande esta dor. É uma dor coletiva que respinga em todos nós. Tomei a liberdade de trazer esta história vivenciada por mim, porque vi muitas vezes nos olhos do meu amigo Luiz, o pânico que a falta de ar trazia. Ao dar a mão firmemente e dizer, “Calma, meu amigo… estamos aqui”, ele esboçava um largo sorriso e começava a se tranquilizar. Não foi por presunção que usei o verbo “ressuscitar” neste texto. Não seria irresponsável ao tal ponto. Mas atesto que o amor, uma mão amiga, faz toda diferença neste momento sim. Traga seu pai sempre no coração e ele viverá para sempre meu caro amigo. Que Deus dê o conforto para toda família! Obrigado pelo seu testemunho e amizade… um forte abraço!

  8. Gabriela disse:

    Que fase né, Sandro?
    Conto os segundos para que as coisas melhorem.
    Sinto pela perda.
    Muita força para nós conseguirmos sair dessa melhores.
    Grande beijo 😉

    • panografias disse:

      Nem me diga Gabriela… quem diria que passaríamos por algo parecido? Graças a Deus conseguimos vacinar meus pais mas faz um ano que nos vemos à 5 metros de distância. Tantos não conseguiram. Acredito que sairemos desta melhores, sim. Obrigo pela leitura e comentário minha cara amiga… beijo no coração!

    • Gabriela disse:

      Ai que bom, Sandro!
      Daqui um pouco chega a nossa vez também 🙂

  9. Odonir Oliveira disse:

    Lindo texto, cheio de ternuras.

    • panografias disse:

      Obrigado pela leitura e comentário Odonir. Trouxe estas lembranças à tona porque fico imaginando a milhares de pessoas nas UTIs em situação semelhante, sem poder contar com familiares e amigos. E muitos que nem puderam ser atendidos. É uma situação muito triste e merece reflexão. Que sua noite seja abençoada… beijo no coração!

  10. Vall Nunnes disse:

    Compreendo sua tristeza. Perder alguém não é fácil. A gente costuma nem pensar nisso. Nos últimos dias se o fizermos teremos falta de ar.
    Porque a morte bate cada vez mais rápido a cada porta. E Sandro,a gente tem o tal prazo. A Covid-19 só veio acelerar um cadinho.
    Pensamos por um novo ângulo: vocês tiveram muitas conversas nos últimos dias,o Luiz com ‘Z’,pode ver mais de perto sua luz,seus sentimentos sobre a vida.

    admirovocedemaispontocompontobeerre

    • panografias disse:

      Realmente a covid tem encurtado o prazo de validade de muita gente, minha cara amiga. É impossível não sentir a dor do próximo. Suas palavras carinhosas me acalantam… obrigado pela leitura e comentário! Beijo no coração… Gosdemaisdocepontocompontobeerre

  11. Saber ter humor nas situações mais controversas é grande virtude. Você é assim, poetamigo!

    • Panografias disse:

      Obrigado minha querida amiga… tenho uma frase que gosto muito que diz: Humor é para quem leva a vida a sério. Acredito que o bom humor está ligado ao estado de espírito, e quando estamos de bom humor temos mais controle da situação. Obrigado pela leitura e a gentileza no comentário… que sua semana seja abençoada e produtiva! Beijo no coração

    • A nossa, amigo. Linda Semana Santa para você!

Deixe uma resposta para Gabriela Cancelar resposta

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: