Lambe-Lambe

 

Clique na Fotografia do Jornalista Fernando Rozano ( Blog ChromosFeR )

.

Por impulso tirou do pulso,

Areias que marcam tempo.

Entre feiras, entre eventos,

Vil passado tão insurgente.

Máquina-caixote presente,

Marca o tempo pelos olhos.

.

Lambe os lugares e gente,

Uma lambida no negativo.

E entra de cabeça na caixa,

Onde teu tempo é relativo.

Instante para posteridade,

Perpetua no tempo vívido.

.

Como máquina do tempo,

Tem passado pelo presente.

Traz na lateral coadjuvante,

Muitos retratos de clientes.

“Olha passarinho a mensagem…

Está faltando ultimamente”.

.

E pelo visor muitas histórias,

Pensava o amigo observador.

Quanto tempo ainda resistirá?!

Isto não é coisa para amador.

Exala nostalgia tua presença.

Fotografar se faz por amor.

.

Sandro Ernesto 26/11/2017

.

*Nota do autor: Dedico esta poesia ao meu amigo Fernando Rozano, Jornalista e fotógrafo por natureza, dotado de uma sensibilidade ímpar e administrador do Blog ChromosFeR  que gentilmente presenteou-me (não tenho nem coragem de dizer que pedi na maior cara de pau rsrsrs) com esta emblemática foto. Observei cada detalhe. O elástico para dinheiro, a fita isolante por toda parte, o Sagrado Coração de Maria com bordas corroídas pela ação do tempo, o espelhinho de bordas de plástico e até mesmo a ponta da caneta bic que repousa em cima. Daria outra poesia tranquilamente mas creio que em breve sairá uma música intitulada ” Máquina do Tempo” ou algo parecido. À você meu caro amigo, minhas reverências e minha gratidão! Beijo no seu coração

Você pode gostar...

12 Resultados

  1. Chronosfer disse:

    meu querido amigo Sandro, minha intuição ao escolher esta foto não me enganou. ela sempre acerta. você não apenas escreveu, você entrou na máquina do tempo. criou um verso maravilhoso: Marca o tempo pelos olhos. você atravessou os tempos, você não apenas viu, você olhou. e a palavra se fez eterna. fico aqui neste amanhecer de chuva, cinza, café quente, Leonard Cohen recitando suas canções-poemas, e ouso entrar na máquina do tempo com meus olhos ardendo do sal que vem com a água desse tempo em meu rosto. e então toda a vida se faz em sentido e significado. você sabe. você é o homem que através do visor da palavra conta a história de tantas histórias. a minha está misturada junto delas. abraço o amigo com o carinho e a amizade que tempo fez se tornar elo e segue seu destino, o de marcar a história e passar adiante. o domingo ainda despertando do cinza, acolhe os raios de sol. feliz dia, meu amigo.

    • panografias disse:

      Fico feliz que tenha feito jus a esta raridade que conseguiu fotografar, Fernando. Creio que muitas pessoas não sabem da existência e da importância que tiveram estes fotógrafos autônomos e os seus registros históricos que atravessam os séculos. Poder contar um pouco da história destes profissionais através de uma poesia é uma tarefa prazerosa, obrigado por confiar na minha pessoa. Deixo aqui o meu sincero abraço e o desejo de que seu domingo seja abençoado! Obrigado meu caro amigo!

    • Chronosfer disse:

      fiquei emocionado ao ler e quem disse que jornalista tem as palavras errou e feio, continuo sem elas para expressar toda a minha gratidão e orgulho com a tua sensibilidade nesta foto tão simples e ao mesmo tempo tão significativa. minha profunda admiração ao amigo da alma.

    • panografias disse:

      Também me falta palavras meu amigo, mas posso senti-las no coração… a admiração é mútua.

  2. alemdooceano disse:

    Lindo demais.. Foto impecável.. quem dera ter amigos como você tem!!! presente do céu.obrigada pela visita ao alemdooceano.

    • panografias disse:

      Obrigado minha querida amiga… também adorei a fotografia. Como diz a velha canção: “… amigo é coisa para se guardar, debaixo de sete chaves, dentro do coração”. É sempre um prazer as visitas em seu blog, certeza de boas leituras. Beijo no coração

  3. Anônimo disse:

    E pelo visor muitas histórias!
    Lembro-me muito bem destes fotógrafos ambulantes, que convidavam as pessoas a serem fotografados, principalmente nas praias da Costa da Caparica, aqui em Portugal!
    Visões da (nossa) história.

    • panografias disse:

      Meu caro amigo Caobe, obrigado pela tua presença e comentário. Também tenho boas lembranças destes ambulantes que sempre eternizavam momentos felizes. Muitas histórias pelo visor… um grande abraço meu caro!

  4. Rever o post me trouxe muitas lembranças de um tempo ainda recente em minha memória e que aos poucos está se afastando. E tua poesia marca isso de maneira muito sensível. Nesses dias faz muito bem para o coração trazer momentos assim. Muito obrigado meu querido amigo. Abraço carinhoso

    • panografias disse:

      Fernando, meu caríssimo amigo… como havia dito antes: como o tempo passa rápido, não ?! Nos dias atuais “recordar é viver” e sim, faz bem aos nossos corações. Gratidão… outro abraço!

  5. Odonir Oliveira disse:

    Que delícia. Há imagens que nunca vão sair de nós. Obrigada, Sandro.

    • panografias disse:

      Odonir, minha querida amiga… delícia é tua presença e comentários constantes aqui no blog. Disseste bem, há imagens que nunca vão sair de nós… Sou eternamente grato pelo carinho de sempre. Que seu final de semana seja iluminado! Beijo no coração

Seu comentário é sempre bem-vindo, Amigo... obrigado !

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: