Falácia

Falácias
.

Dir-te-ias com voz rouca eloquente

Estoico e orgulhoso de teu juízo mental

“Não te lanças ao infortúnio, oh pobre mortal”

E desajuizado lançar-me-ia de repente

.

O amor é a razão do desequilíbrio?

Amar-te-ias se fosse infortúnio?

Enlouquecer-me-ia por razão de amar?

.

Entregar-me-ei a tal desventura

Atirar-me-ei deste penhasco chamado amor

Preso a prosopopeia desta leitura

Imatura in natura minh’alma em destemor

.

Autor: Sandro Ernesto 27/08/2013

Você pode gostar...

19 Resultados

  1. Isa Lisboa disse:

    Sim, o amor é um penhasco… Mas alguns lançam-nos de novo no ar…

  2. É verdade Isa … é nos penhascos que existem grandes correntezas de ventos ! Obrigado pela visita e comentário ! abraços

  3. Vall Nunnes disse:

    O amor colocado de forma corretíssima: um penhasco!
    Amar é pular de olhos fechados no desconhecido, o resto são apenas falácias.
    Lindo demais!

  4. Obrigado Vall pela sua presença e comentário aqui no blog ! É muito bom saber que gostou ! Um forte abraço

  5. gutamary disse:

    Por amor se fazem loucuras muitas vezes irreparáveis, bom dia amigo

    • panografias disse:

      Bom dia minha querida amiga… eu que o diga! Acho que eu só não tomaria banho gelado no inverno… odeio tomar banho frio kkkkkkkkk ( se bem que de cachoeiras e mar é delicioso ). Obrigado pela presença e comentário… beijo no coração!

  6. foureaux disse:

    Poema sugestivo!

  7. Rita Cidreira disse:

    Uau! Que lindo!
    Adorei, Sandro, parabéns!
    ❤❤

  8. Jauch disse:

    Gostei muitíssimo do jogo de palavras. Sim senhor 🙂

  9. estevamweb disse:

    Pulei neste penhasco há quase 15 anos… mas, curioso, subo mais do que caio…

  10. mariel disse:

    Adorei, tipo muito

Seu comentário é sempre bem-vindo, Amigo... obrigado !

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: